terça-feira, 8 de setembro de 2009

FLORAIS DE BACH PARA USO EM GATOS


"Ajudar-nos-á efetivamente reservar poucos momentos diários para pensar serenamente na beleza da paz e nos benefícios da calma, e compreender que não é por meio da preocupação ou de ansiedade que poderemos realizar mais ; mas sim que nos tornamos mais eficientes em tudo o que empreendermos, com pensamentos e ações calmos e serenos ." Edward Bach.

Histórico do gato
Apesar de seus ancestrais existirem há mais de 12 milhões de anos, os gatos tornaram-se domesticados há cerca de 4 mil anos.

Os antigos egípcios foram os primeiros a usá-los no controle de animais daninhos que atacavam seus estoques de grãos.

No Egito, o gato era reverenciado como um deus. Foi na forma de um gato que o grande deus sol Rá venceu Apep, a serpente da escuridão.

A deusa Bast ou Pasht ou Bastet era representada por uma gata ou pela cabeça de uma gata. Bast tornou-se tão importante que, os gatos passaram a ser venerados por todo o Egito. Os egípcios achavam que ter um gato em casa era garantia de muitos filhos na família, porque a deusa Bastet era também a deusa do amor e da fertilidade.

Comê-los ou matá-los era considerado um crime.

Quando um gato doméstico morria no Egito antigo, os donos raspavam as próprias sobrancelhas em sinal de luto .

Os gatos no Egito eram mumificados e enterrados formalmente. Era ilegal contrabandear gatos para fora do Egito.

Na Idade Medieval a Igreja Católica associou o gato a satanás e, portanto, às bruxas. Dessa forma, gatos, principalmente de pelagem preta, foram perseguidos e sacrificados largamente.

O Renascimento foi considerado uma época áurea para os gatos - quase todas as residências tinham um, dos castelos aos casebres na periferia das cidades.

A partir do século XVIII voltaram a ser populares e adorados como animais domésticos.

Os sentidos do gato

- Visão:
É o mais importante ( embora alguns cientistas digam que é a audição) . Os olhos são grandes em comparação ao tamanho de seu crânio e, sua visão é extremamente sensível. Têm capacidade de observação de um campo amplo com um mínimo movimento.

Não têm muita sensibilidade à cor (menos que o cão) porém, têm vantagem para enxergar no escuro (os felinos em geral).

Estão aptos a enxergar em condições que poderíamos considerar de total escuridão.

- Audição:
É aguçada. As orelhas são manobráveis, moldadas e sulcadas para concentrar o som. Ao detectar o mais leve ruído, podem focalizar sua audição para a fonte.

Um gato, freqüentemente, pode localizar um objeto pelo som de sua queda, mesmo fora de sua visão. Os gatos podem distinguir e diferenciar sons mais do que nós. Os gatos ouvem as frequências altas com mais intensidade que as baixas, o que tem grande utilidade na caça de animais pequenos.

-Tato:
Bastante desenvolvido em todo o seu corpo – e, principalmente nas patas – as terminações nervosas respondem à mais leve pressão.

Bigodes, sobrancelhas e pelos longos no dorso das patas dianteiras transmitem ao cérebro as sensações de pressão.

- Paladar:
Não ocupa parte importante mas, eles têm preferências quanto a certos sabores.

- Olfato:
É muito desenvolvido. Parece proporcionar prazer – o gato abre a boca e aspira mais ar.

O odor é importante para a marcação do território e na identificação sexual.

Os gatos têm um órgão chamado vomeronasal no céu da boca que os ajuda a identificar odores.

- Equilíbrio:
O equilíbrio e a coordenação de um gato são insuperáveis. Costumam sobreviver a quedas de mais de 20 metros. Possuem o reflexo de cair em pé. Os olhos e os órgãos de equilíbrio estão localizados no ouvido interno – situam o gato no espaço e lhe permitem “aterrisar” em pé.

Comportamento do gato

Os gatos vivem em sociedade matriarcal, ou seja, têm um sistema centrado na mãe que é dominante sobre sua descendência ( a “massagem” ou movimento de ordenha, é algo que vem da infância dos gatinhos – quando estimulavam a saída do leite da mãe, massageando-a. Esses momentos com a mamãe gata são de prazer total e, ele pode fazer isso em seu dono, indicando que o vê como mãe postiça ).

Vivem num grupo unido e, dificilmente, aceitam a intrusão de gatos de fora.

Comunicam-se pelo odor, através da urina.

A arranhadura é uma marca visual onde são depositadas algumas secreções das glândulas entre os dedos e significa presença.

Esfregando as bochechas, o dorso e a base do rabo, o gato deposita outras marcações de odor e são de familiarização.

A hierarquia é, principalmente, linear. Não se tem uma dominância completa. Um gato pode dominar o acesso à alimentação mas, ser dominado por outro, no acesso à poltrona da sala. Demarcam território através da urina. E, não gostam de compartilhar o território.

O gato continua caçador, embora não coma mais a caça (rato, etc.).

A menos que um gato seja encurralado, ele raramente entrará numa briga verdadeira. Assume uma postura agressiva ou de ataque, com sibilações ou bufadas que, impressionam o opositor.

O gato consegue se readaptar e sobreviver na natureza caçando.

Os gatos são melindrosos. São asseados e gostam do ambiente onde vivem limpo. Limpeza pessoal é importante para um gato.

Os gatos também limpam o ambiente astral, das energias negativas.

Não gostam de barulhos fortes e movimentos bruscos.

Hábitos marcantes quanto a horários e disposição da mobília.

Possuem senso de humor. Compartilham uma brincadeira mas, não gostam de ser ridicularizados.

A sociabilização ocorre entre 2 e 9 semanas.

O gato não vê o ser humano como parte do seu grupo. O homem, precisa conquistar o gato. A sociabilização deve ocorrer com cada integrante da casa.

Florais de Bach para Animais

As essências florais de Bach são um método simples e natural de tratar através do uso de certas flores silvestres. As essências que, tratam das desordens da personalidade do animal e não da condição física individual, foram descobertas pelo Dr. Edward Bach, médico inglês, por volta dos anos 30.

Depois de praticar durante muitos anos uma medicina convencional e, também, numa linha homeopática, o Dr. Bach foi levado a perceber que o que caracterizava as desordens físicas das pessoas, não era tanto as muitas categorias de doenças mas, as condições mentais que as geravam. Com os animais também é assim.

Alguns anos depois ele estava apto a reconhecer essas condições mentais e descobriu uma essência floral para cada caso. Essas essências foram descobertas nas flores silvestres e nas árvores do campo.

As essências de Bach não usam o material físico da planta mas, a energia essencial que se encontra dentro da flor. Essa energia é extraída das flores pelos métodos solar e fervura e, acondicionada em água – para os animais (para humanos água e conhaque de uvas).A substância sutil assim extraída é usada para tratar a causa da doença num nível também sutil. As essências de Bach tratam a causa mental da doença. Os remédios florais são energia. Eles tratam o doente e não a doença. As essências são vibracionais.

Princípios básicos das essências florais de Bach

elas tratam o animal e não a doença

é um sistema simples, natural e efetivo

podem ser usados junto com qualquer outro tratamento (o sistema de Bach é complementar e não alternativo)

a efetividade pode ser observada em indivíduos inconscientes, em estado de coma, crianças, animais e plantas.

não substituem a medicina veterinária ortodoxa.

Administrando a essência floral

- uso a curto prazo:
emergências
casos agudos

- uso a longo prazo:
casos crônicos

Tratamentos

recomenda-se, no máximo, 6 essências por fórmula, por frasco

rescue remedy conta como uma essência

dose; 4 gotas – ou a critério do terapeuta

freqüência: 4 vezes ao dia ou a critério do terapeuta

período – por, pelo menos, 30 dias cada frasco de tratamento ou a critério do terapeuta.

Métodos de administração

Direto na boca, na água do bebedouro, misturar na ração, borrifador, na água do banho, esfregar nas gengivas, parte interna das orelhas caso o animal esteja inconsciente, compressas para ferimentos abertos, no soro fisiológico para os olhos.

Para os animais, o álcool não é usado (o conhaque de uvas só é usado para humanos, a 30%). O Bach Centre (Inglaterra) não aconselha nenhum conservante para os animais : álcool de cereais, vinagre de maçã, conhaque ou glicerina.

Para os animais, só água mineral (não pode ser destilada, ozonizada, gasosa ou clorada) e as essências. Para durar um pouco mais, deve-se guardar em geladeira.

Escolhendo a essência floral

-comunicação verbal – sons que os animais emitem

- comunicação não verbal – relato do proprietário

- A observação constante e o conhecimento prévio do comportamento no animal direcionam para o que está alterado.

É preciso estar atento a:
-raça
-comportamento individual
-comportamento junto ao proprietário
-relacionamento com o meio

Essências de Bach

Os 38 remédios do Dr. Bach foram classificados por ele em 7 grupos:

ESTA TERAPIA NÃO SUBSTITUI O TRATAMENTO COM O VETERINÁRIO.

1- grupo do medo
mimulus, rock rose, cherry plum, aspen, red chestnut

2- grupo da incerteza e da insegurança
cerato, scleranthus, gentian, gorse, hornbeam, wild oat

3- grupo da falta de interesse no presente
clematis, honeysuckle, wild rose, olive, white chestnut, chestnut bud, mustard

4- grupo da solidão
water violet, impatiens, heather

5- grupo da hipersensibilidade às influências e idéias externas
agrimony, centaury, walnut, holly

6- grupo do desalento e desespero
larch, pine, elm, sweet chestnut, star of Bethlehem, willow, oak, crab apple

7- grupo do cuidado excessivo com os outros ou grupo dos poderosos
chicory, vervain, vine, beech, rock water

Há também o RESCUE e o RESCUE CREAM original que, não pertencem a nenhum grupo.
Dra. Martha Follain.
http://www.greepet.vet.br/florais_gatos.php

9 comentários:

  1. Caramba, Nana, um verdadeiro tratado sobre o gato.
    Texto completíssimo!

    Já tratei o Alemão com homeopatia, o Spike com acunpuntura mas ainda não usei os florais.
    Só eu e meu marido. rs!
    Usei durante um grande período, quando fazia terapia. Achei muito válido e eficaz.
    bjs e uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  2. Aqui em casa a mamãe já fez isso aí...mas não deu muito resultado, mas não deixa de ser uma boa idéia

    ResponderExcluir
  3. Nana, tudo bem? Acho todas as informações de grande valia mas acredito q devemos ser politicamente corretos, quando textos como estes são expostos em blogs?. Que tal mencionar o link: http://www.greepet.vet.br/florais_gatos.php e a autoria da Dra. Martha Follain. É só uma dica para esta e outras postagens futuras. Não nos queimamos e tb não somos punidos por leis de autorias...Pense nisto com carinho. Beijinho carinhoso

    ResponderExcluir
  4. eu uso com Lya, ajudou muito, ele mudou completamente o comportamento, aliviou muito os problemas de pele e espaçou o uso do corticóide.
    eu tb uso, mas sou mais cuidadosa com ela do que comigo, eu sou relapsa pra tomar.

    ResponderExcluir
  5. Nunca usei florais, mas, se precisar, já sei a quem recorrer... :)

    Como anda a lindinha da sua filha?

    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Angelique:

    Se vc observar as minhas postagens sempre coloco a autoria e ou o site de onde retirei... este na hora da postagem caiu a net e acabei esquecendo de creditar...... mas obrigada pelo toque
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Oi, passei pra conhecer seu blog, e desejar bom fds
    bjss

    aguardo sua visita :)

    ResponderExcluir
  8. Nana, adorei o texto. Tenho vontade de tratar alguns probleminhas que tenho aqui com floral... Vou ver um veterinário que possa prescrever.
    Ah, tem selinho pra ti no blog!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  9. Nós usamos florais e adoramos. indicamos para vc o selinho "Este blog me faz feliz", passa lá e pega. bjs

    ResponderExcluir

Seu recado será lido com muito carinho !!!
Obrigada pela visita e volte sempre.
Bjs
Nana